Domingo, Set 15th

Last update04:21:30 PM

Profile

Layout

Menu Style

Cpanel
COLUNAS OPINIÃO Férias do trabalhador ou do empregado

Férias do trabalhador ou do empregado

Por Doglas Figueiredo da Silva*

Noção; Período aquisitivo; Período concessivo; Férias em dobro: Antes de abordarmos o assunto, gostaria de tecer alguns comentários sobre a terminologia a ser utilizada em relação às palavras: Trabalhador e Empregado.

Todos são trabalhadores, porém nem todos trabalhadores são empregados. Isso se explica pelo simples fato de termos em nosso meio, aqueles trabalhadores que desenvolvem atividade laboral sem estarem sob a ordem de ninguém, são os famosos trabalhadores autônomos, ao passo que aqueles que se encontram sob as ordens de alguém, mediante remuneração, são considerados empregados.

O termo correto a ser utilizado no assunto em questão é empregado, todavia, por uma questão didática, utilizaremos a palavra Trabalhador.

Iniciarei os assuntos citados, abordando que muitos Servidores Públicos Municipais possuem dúvidas sobre férias. O que são as tão sonhadas férias anuais?

As férias anuais destinam-se ao descanso e reparação física e mental do trabalhador, sendo que a cada período de 12 meses de vigência do contrato de trabalho o trabalhador tem o direito a gozar férias.

Já o período aquisitivo compreende-se que o Trabalhador tenha laborado 12 meses ininterruptos, daí temos que o empregado adquiriu o direito a gozar férias. Ao termino do período aquisitivo, inicia-se outro período que é o denominado período concessivo, no qual o empregador tem um prazo de 12 meses para conceder as férias ao empregado, ficando a sua conveniência o momento em que elas serão concedidas.

Caso o empregador não conceda férias ao trabalhador dentro do período concessivo, o empregado fará jus ao percebimento de férias em dobro. A dobra das férias seria uma forma de se apenar o empregador omisso.

O trabalhador deve ficar atento quanto às faltas, estas influenciam de forma direta sobre as férias. O trabalhador que tiver mais de 32 faltas injustificadas perderá o direito às férias, além de sofrer demissão por abandono de emprego, caso as faltas sejam injustificadas e ininterruptas.

Só a titulo de ilustração, o trabalhador que goza licença remunerada por mais de 30 dias, ou se afasta por acidente de trabalho, ou recebe auxilio doença por mais de 6 meses, ou ainda, caso haja paralisação total ou parcial da empresa por mais de 30 dias, perderá o direito à férias. Porém o artigo 131 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, informa em que casos não haverá a diminuição do período de férias, pelo motivo de faltas.

O tema férias é muito longo. A matéria exposta não esgota o tema, mas nos trás alguma noção desse Direito que é tão importante para o Trabalhador.

 

* Doglas Figueiredo da Silva é bacharel em ciências jurídicas, graduado pela Universidade Católica de Santos (UniSantos) e coordenador do departamento Jurídico do SISPUMI

NOTÍCIAS

Setting

ACONTECE

Setting

COLUNAS

Setting

POLÍTICA

Setting
Data Base pode virar lei em Mongaguá

Data Base pode virar lei em Mongaguá

Vereadores acompanham reunião com servidores e pre...