Segunda, Out 22nd

Last update05:14:58 PM

Profile

Layout

Menu Style

Cpanel
COLUNAS SISMÓGRAFO O quê lhe subiu a cabeça?

O quê lhe subiu a cabeça?

Quando uma pessoa muda seu comportamento em virtude de uma melhora de vida, seja por ascensão profissional ou por ganhos financeiros, é comum ouvir o termo: ‘o sucesso lhe subiu a cabeça’. De maneira absurda, já ouvi esse termo sendo atribuído até mesmo a uma pessoa que apresentou melhoras de saúde, após fazer um transplante. Pior do que ouvir isto é enxergar o que raramente não é dito.
 
Acredito que as pessoas são o que são e, ter ou estar, apenas proporcionam as oportunidades. Em minha opinião o sucesso não sobe a cabeça de uma pessoa, ela tomaria determinada atitude de qualquer modo, mas não o fez antes por estar em um contexto ‘desfavorável’.
 
Então como se pode explicar a atitude de algumas pessoas que, mesmo em situação ‘desfavorável’, apresentam um comportamento desconexo aos demais? Faço esta pergunta e abordei o tema ao observar diariamente membros que compõe nossa unidade sindical.
 
Alguns servidores públicos, sejam eles sindicalizados ou não, assumem postura a qual eu prefiro chamar de suicida. Qualquer trabalhador espera que as reivindicações feitas por seu sindicato tenha êxito, mas estranhamente, já houve servidor que se opôs ao ver noticiado que sua categoria teria garantido o direito ao pagamento de 30% do adicional de periculosidade. Negando as ações sindicais registradas em atas de reunião e ofícios que mostra a luta sindical para garantir um direito, até então, violado para esses trabalhadores. Outros então resolvem ‘reinventar a roda’, impondo uma representação sindical na base do golpe, para enfraquecer os trabalhadores e fortificar o patrão. Há também os irresponsáveis, que para atingir o sindicato, se esquecem que mesmo fora do exercício de trabalho, sua função exige o cumprimento do código de ética, que prega ‘conduta ilibada’ não permitindo que o servidor compactue com ações contrárias as leis, consequentemente, as determinações judiciais. Existem também os generalistas e simplistas, que na base do ‘achismo’, são convictos em afirmar que o sindicato é ‘vendido’ e os direitos violados e reivindicações não são conquistadas por inépcia ou falta de vontade sindical e não pela dependência da agilidade e entendimento da justiça ou da concessão do Poder Executivo. Avessos ao sindicato acreditam que esta relação é infinitamente melhor nos municípios vizinhos, mas fecham os olhos para os escândalos e cumplicidade, publicado pela imprensa, envolvendo sindicato e prefeito, que acabou tendo os bens bloqueados pelo Ministério público.
 
Por que não valorizar a própria representação? Por que não comemorar o privilégio de garantir o direito a Data Base por força de lei municipal? Por que não reconhecer que o modelo de crédito oferecido aos associados pelo sindicato se tornou modelo para ser implantados por cidade vizinha e até em outras regiões? Por que menosprezar o zelo e acréscimo do patrimônio dos servidores?
O Porquê destas questões é simples. Está visível, mas raramente é dito: ‘O fracasso lhe subiu a cabeça’. Chega de atribuir aos outros a culpa do que você não tem mais, valorize o que você tem e dê uma chance a você mesmo. Pequenos exercícios diários de otimismo ajudarão. Afinal se for para subir algo a sua cabeça, que seja o sucesso. 

NOTÍCIAS

Setting

ACONTECE

Setting

COLUNAS

Setting
Informe do departamento Jurídico

Informe do departamento Jurídico

Insalubridade, cobrança de devolução da URV e Súmu...

POLÍTICA

Setting
Data Base pode virar lei em Mongaguá

Data Base pode virar lei em Mongaguá

Vereadores acompanham reunião com servidores e pre...