Segunda, Set 21st

Last update01:17:22 PM

Profile

Layout

Menu Style

Cpanel
NOTÍCIAS GERAL Escassez de EPIs preocupa servidores da linha de frente

Escassez de EPIs preocupa servidores da linha de frente

Tensão na atividade de trabalho é rotina diária para os servidores públicos que atuam na área da Saúde. Em tempos de pandemia a tensão é potencializada em nível insuportável, principalmente quando a luta não é somente para salvar a vida do próximo, mas a própria vida. É deste modo que os diversos servidores públicos estão desempenhando suas atividades em decorrência da dúvida sobre a escassez de equipamento de proteção individual (EPI). A desconfiança sobre o fornecimento de equipamento básico como máscaras e luvas atinge de forma alarmante os profissionais que atuam no SAMU e na UPA, assim como todos os servidores atuantes no serviço público essencial.

As principais dúvidas dos servidores é em relação às máscaras profissionais N95, que devido à demanda de consumo pela pandemia apresentou elevação do preço em mais de 20%, ainda em fevereiro. Conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), no mesmo período, a demanda pelo equipamento, somente por profissionais, foi 100 vezes maior.

Sem resposta oficial por parte da prefeitura e da secretaria de Saúde de Itanhaém aos questionamentos feitos pelo sindicato, o diretor executivo do SISPUMI, Samuel Lorena Rosa, apurou a condição dos servidores do SAMU, constatando através de depoimento dos socorristas, que utilizam a mesma máscara, após atenderem ocorrências diversas. Segundo a coordenação do SAMU, o EPI não apresenta falta em estoque e as máscaras não devem ser utilizadas de forma indiscriminadas. O diretor também obteve queixas com o mesmo teor de alguns servidores que atuam na UPA.

Em Mongaguá, o diretor secretário-geral, Aparecido Borges (Cidão), constatou cenário semelhante. Apesar do prefeito de Mongaguá não ter fornecido resposta oficial, o diretor de Saúde municipal, Marcelo Veiga de Marco, respondeu parcialmente aos questionamentos feitos pelo sindicato.

Nas unidades do SAMU, UPA e Unidades de Saúde foram constatadas que o equipamento mínimo necessário aos servidores estão presente. Os servidores utilizavam máscaras, luvas e álcool em gel, porém a grande preocupação é em relação aos socorristas do SAMU e no atendimento emergencial da UPA, em relação às máscaras e luvas.

Conforme apurado pela reportagem, na diretoria de Saúde de Mongaguá e nas unidades visitadas, as chefias afirmam ter estoque do EPI para fornecer aos servidores. Em mais de uma unidade nos foi informado que as máscaras N95 têm previsibilidade de uso de até 30 dias, quando utilizadas em situação adequadas.

Entre as condições de uso estaria à condição de não molhar a máscara, algo difícil de ocorrer em nossa região, em decorrência as condições climáticas que apresenta temperatura elevada, alta humidade relativa do ar, consequentemente inutilizando o equipamento pelo suor e outros eventuais fatores de contaminação. Na prática as máscaras de uso profissional apresentam vida útil de uma semana (sete dias).

Na última terça-feira (31 de março), o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou em coletiva de imprensa que teria disponível 300 milhões de EPIs. Com o mesmo discurso o secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann, reafirmou que o abastecimento de EPIs não apresentava comprometimento. Já na coletiva do Ministério da Saúde, na tarde de ontem (1 de abril), o Ministro Mandetta demonstrou grande preocupação pela frustrada e não realizada compra de EPIs proveniente da China, uma vez que os Estados Unidos realizou uma gigantesca compra, comprometendo o abastecimento aos demais países.

Socorristas, médicos, equipe de enfermagem, segurança pública, limpeza pública e os demais profissionais que atuam de forma direta com o público, merece e necessita de informações para desempenharem suas atividades com o mínimo de stress e tranquilidade.

Gestores municipais informem aos servidores sobre os equipamentos de segurança. O que existe em estoque, por quanto tempo é possível abastecer os profissionais, a secretaria de Saúde do estado prestará auxílio ou contamos apenas com recursos próprios? Cuidem de quem protege a todos. Informação também é uma das armas contra o combate e prevenção ao COVID-19.  

NOTÍCIAS

Setting

ACONTECE

Setting

COLUNAS

Setting
O quê lhe subiu a cabeça?

O quê lhe subiu a cabeça?

Na coluna do editor, comportamento mostra o que está na cabeça dos servidores

POLÍTICA

Setting
Data Base pode virar lei em Mongaguá

Data Base pode virar lei em Mongaguá

Vereadores acompanham reunião com servidores e prestam apoio ao SISPUMI