Quarta, Jan 23rd

Last update05:09:28 PM

Profile

Layout

Menu Style

Cpanel
POLÍTICA GERAL Empresária denuncia esquema de corrupção para registros de novos sindicatos no MTE

Empresária denuncia esquema de corrupção para registros de novos sindicatos no MTE

Em entrevista publicada na revista ISTOÉ, em janeiro passado, a empresária Ana Cristina Aquino denunciou ao Ministério Público Federal que existe uma verdadeira máfia no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) que atua para registrar a criação de novos sindicatos. Ana diz ter participado do esquema que envolve diretamente o ex-ministro Carlos Lupi e o atual ministro do Trabalho, Manoel Dias, ambos do Partido Democrático Trabalhista (PDT), que tem sustentação da Força Sindical.

 
Na reportagem da revista ISTOÉ, Ana declarou: “Levei R$ 200 mil para o ministro Lupi numa mochilinha da Louis Vuitton”. Segundo a empresária, a quantia seria parte do montante para obter a Carta Sindical do Sindicato dos Cegonheiros de Pernambuco (Sincepe). A empresária passou a delatar o esquema, depois de tomar conhecimento de que estava sendo investigada pela Polícia Federal por enriquecer rapidamente.
Em março, o MTE divulgou o primeiro relatório da Força Tarefa, para analisar os mais de 4 mil pedidos de registros sindicais. Segundo o MTE, até dezembro do ano passado, foi identificado um total de 818 registros sindicais irregulares, cujos solicitantes foram notificados a apresentar documentação para regularização das pendências. Outros 671 registros foram suspensos ou cancelados por inconsistência nos dados. Também foram baixadas sete portarias e ordens de serviço estabelecendo regras mais claras e rígidas para concessão de carta sindical. Houve também uma redução de 38% nos pedidos que aguardavam análise no início de 2013.
De um total de 2.035 pedidos ainda em análise pela Comissão, 555 são de registro e 180 para alteração estatutária. Destes, foram deferidos e publicados 249 novos registros sindicais. Ressalta-se que nos últimos nove anos, a média anual foi de 391 deferimentos de novos registros. Os 249 registros concedidos representam apenas 19,1% do total de pedidos analisados pela comissão especial.